Rio de Janeiro, 16 de Novembro de 2018

Obesidade está relacionada ao câncer de mama

Estudo realizado na Dinamarca, mostra que mulheres com IMC maior que 30 podem apresentar tumores maiores e mais agressivos

Dicas importantes para prevenir o câncer de mama
 
Apesar da influência da obesidade no prognóstico do câncer de mama ainda ser um assunto polêmico e controverso, já existem alguns estudos que apontam a relação da obesidade com o aumento da probabilidade de morte por câncer de mama.

Vários estudos foram feitos e alguns deles apresentaram indicações de quanto maior o índice de massa corpórea (IMC), maior a probabilidade de desenvolver o câncer de mama. Um dos estudos sobre assunto, considerado o mais completo já relatado, foi realizado na Dinamarca.

Foram acompanhadas 18.967 mulheres operadas de câncer de mama, por um período de 30 anos.

Durante esse período de estudo, ao comparar às mulheres com IMC maior que 25, com as que apresentavam o IMC maior que 30 e que geralmente estavam na menopausa, foi observado que esse segundo grupo apresentava tumores maiores, mais agressivos e com comprometimento mais extenso dos linfonodos da axila.

Outro dado importante, foi que o risco de metástases em órgãos distantes também teve relação direta com o ganho de peso. Após 10 anos da cirurgia, mulheres acima do peso, apresentaram mortalidade 46% maior quando comparadas às mulheres que estavam com o peso normal.

Segundo Flávio Madruga, médico especialista em nutrologia e medicina do esporte, os maus hábitos alimentares da vida moderna estão diretamente relacionados à maior incidência de casos de câncer.

“Não só os produtos repletos de agrotóxicos, como os vegetais vendidos no supermercado, mas também o excesso de açúcar, corantes, conservantes e gorduras trans dos alimentos ingeridos diariamente são grandes causadores de tumores”.

O especialista Dr. Flávio Madruga, ainda afirma que a alimentação com base em fast food, muito comum no dia a dia de grande parte da população, é pobre em fibras e isso enfraquece as paredes do intestino deixando o corpo mais suscetível ao desenvolvimento de tumores.

“Fast food também contém gorduras trans e essas são um fator de risco para câncer não só de mamas, mas também de pâncreas, vesícula biliar, esôfago e rins”, afirma o nutrólogo.

A dica do Dr. Flávio para diminuir os riscos de desenvolver não apenas o câncer de mama, mas muitos outros que podem estar relacionados ao aumento de peso, é a prevenção e os cuidados com a alimentação.

“Procure ter uma alimentação saudável, como legumes e verduras orgânicos, evite consumir industrializados e, sempre que possível, opte por comida preparada em casa, livre de aditivos químicos e com moderação na adição de sal. Isso com toda certeza irá lhe trazer uma vida mais saudável e longa”.
 
Dicas importantes para prevenir o câncer de mama

1. Faça o autoexame das mamas mensalmente, de preferência no 7º ou 8º dias após o início da menstruação. Cerca de 90% dos tumores são detectados pela própria paciente;

2. Procure sua ginecologista para saber qual é o melhor momento e a frequência para se fazer exames como ultrassom e mamografia. Eles, quando feitos regularmente, ajudam a detectar os tumores na fase inicial.

3. Mantenha o peso ideal, principalmente na menopausa. A Agência Internacional de Pesquisas em Câncer estima que cerca de 25% dos tumores de mama no mundo sejam decorrentes de obesidade e sedentarismo, o que significa que nem sempre a doença está relacionada apenas com a hereditariedade, como muitos acreditam;

4. Reduza o consumo de álcool. Já existem pesquisas que apontam que o consumo de uma dose de álcool por dia aumenta em 5% o risco de desenvolver câncer de mama. Se a dose sobe para 3 ou mais, o risco aumenta para 50%. O álcool aumenta os níveis do estrogênio, principal hormônio envolvido na multiplicação das células tumorais nas mamas.

5. Pare de fumar! O cigarro é um dos maiores vilões para a saúde e um dos grandes causadores de vários tipos de câncer (pulmão, boca, estômago, laringe e pâncreas). Estudos mostram que fumar mais de um maço de cigarros por dia durante 10 anos aumenta em 60% a chance de ter um câncer de mama após os 44 anos.

6. Pratique atividade física. O exercício aeróbico impacta diretamente na maneira como o corpo decompõe o estrogênio (principal hormônio envolvido no câncer de mama);
 

Com tantos dados, pesquisas, estudos e opiniões médicas sobre o assunto, fica mais do que claro que a obesidade é maléfica à saúde como um todo. Estar acima do peso é muito mais do que uma questão estética.

Se manter em forma, se alimentar direito e ter uma vida ativa, significa maior longevidade e uma diminuição significativa nos riscos de desenvolver doenças graves como câncer, diabetes, hipertensão e cardiovasculares.
 
 

Dr. Flávio Madruga (CRM-SP 103.841) -

Clínica Flama –

São Paulo - www.clinicaflama.com.br


 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Paloma Oliveira

Fonte:E-Mídia Comunicação