Rio de Janeiro, 21 de Novembro de 2019

Câncer de mama e depressão

Outubro Rosa: câncer de mama pode desencadear depressão; saiba como é o diagnóstico e tratamento
A especialista Katherine Maurente fala por que a doença afeta o emocional do paciente

O diagnóstico de câncer de mama geralmente provoca um choque emocional na vida de pacientes, que precisam lidar com medos e incertezas.

Dados de um estudo do Observatório de Oncologia mostram que a chance de uma paciente com câncer de mama desenvolver a depressão chega a 25%, enquanto a prevalência da patologia é de 3,5% a 7% em todas as mulheres.  

"A descoberta de uma doença nunca é algo fácil. No caso do câncer de mama além de gerar medo pela morte, existe também a questão da aparência.
Sendo assim, existe uma dificuldade muito grande em fazer o diagnóstico da depressão pois existe já uma tristeza após o diagnóstico do câncer", explica a estudante de psicologia e enfermeira Katherine Maurente.

Segundo o manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais ( DSM-V ), caracteriza-se como depressão pelo menos cinco ou mais dos seguintes sintomas persistentes por mais de duas semanas:

- Humor deprimido na maioria dos dias;
- Perda ou ganho de peso sem estar na dieta;
- Aumento ou diminuição do apetite;
- Insônia ou outros distúrbios do sono;
- Fadiga e perda de energia;
- Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada;
- Capacidade diminuída de pensar ou concertar-se ou indecisão;
- Preocupação com a morte e ideação ao suicídio;
- Crises de choro.
Geralmente os tratamentos são feitos com:
- Medicamentos;
- Psicoterapias;
- Terapias de grupo;
- Atividade física;
- Apoio familiar e de amigos
- Sempre praticar hobbies, como dançar, desenhar, pintar entre outros...

 

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Katherine Maurente

Fonte:Universo da Mulher