Rio de Janeiro, 19 de Setembro de 2018

Quando comer, preste atenção, mesmo!

Quando comer, preste atenção, mesmo!

Uma cena muito comum é a de um grupo de jovens sair do cinema e programar um jantar... Mesmo sem perceber que  cada um deles ingeriu um balde de pipocas com cerca de 1200 calorias, durante o filme, além de outro balde de refrigerante...

À medida em que comemos, o cérebro passa a receber mensagens, sinalizando a ingestão de alimentos, o que confere progressiva saciedade ao final da refeição. “Essa interação entre o estômago e o cérebro é realizada através de hormônios específicos, mas dela participam muitos outros sinais como a visão do alimento, o tempo de mastigação e a percepção do sabor do mesmo. Assim, todos esses fatores podem concorrer para que tenhamos bem definido o tempo de saciedade e o momento de parar de comer”, explica a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional.

Nos tempos atuais de tecnologia avançada, a internet, os jogos eletrônicos e a TV mobilizam as pessoas como nunca. Tornou-se muito rara a refeição à mesa e com ela a família reunida. Aliás, fazer refeições em si, já é coisa do passado... “Passamos a lanchar mais e principalmente comer enquanto fazemos alguma coisa. Essa atitude leva à ingestão despercebida de alimentos. Comemos muito mais na forma de beliscos e não computamos o que comemos. Não é raro encontramos pessoas que praticamente não sabem dizer o que comem”, conta a médica.

Um hábito que se aprende na infância

Nossos filhos nos observam e geralmente nos imitam. Não adianta ensinarmos a eles o que não fazer, pois eles invariavelmente seguirão mais os nossos hábitos do que a conversa do “faça o que eu digo e não faça o que eu faço”. Por isso, é melhor cuidar dos próprios hábitos antes de querer moldar os deles.

A primeira geração dos nascidos na era do computador está agora tendo filhos e precisa de orientação. Muitos deles tem hábitos alimentares completamente irregulares e não desgrudam de suas máquinas maravilhosas nem sequer para comer, imaginem os bebês desta geração... Não estamos falando em fixar horas de navegação na Internet e não estamos falando em educar as crianças. Queremos apenas lembrar de que é muito importante voltar para a mesa, olhar para a comida e ter noção do que estamos mastigando. A hora ideal para fazer isso é cedo, de preferência na fase da papinha, alerta a endocrinologista.

Nessa fase da vida, a melhor dica para os jovens papais e mamães é evitar dar a papinha para as crianças na frente da TV, principalmente evitar que os pequenos comam sem prestar atenção no que estão fazendo, por mais seletivos e difíceis de aceitar a comida que eles possam ser. Quando condicionados a comer assistindo desenhos ou outros programas infantis, eles passam a comer somente dessa forma, sem prestar atenção. Sem saborear ou se darem conta do que estão comendo, avisa a diretora do Citen.

Quando os maus hábitos já estão formados

Todos os dias, percebemos a dificuldade das pessoas mudarem seus hábitos alimentares. Mas nem tudo está perdido quando estamos lidando com crianças  e adolescentes, mesmo que já desorganizados do ponto de vista alimentar. Entretanto, é importante saber que com crianças e adolescentes não devemos ir com tanta sede ao pote. Precisamos entender a fase em que eles estão e os interesses deles. Muitas vezes, temos que esperar por eles, ou, outras vezes, estimular os pais a adotarem atitudes discretas e pontuais que poderão levar a mudanças suaves e progressivas, orienta a médica.

É possível, sugere a diretora do Citen, reduzir o número de computadores espalhados pela casa e não permitir que comam nos quartos. Podemos também restringir os pequenos lanches e os beliscos que tiram deles a sensação de fome. Podemos alegar tudo, menos que a mudança se deve à presença do computador, pois nesse caso só conseguiremos uma reação intempestiva contrária que nos fará inimigos para sempre por estarmos contra o computador. Dessa forma, nada mais arrebatador do que a mais primitiva das sensações:a fome. Quando ela bate, não há MSN que segure a turminha plugada e eles cedem à força da necessidade de comer. É nessa hora que devemos estar a postos com uma bela refeição que seduza mais que os joguinhos eletrônicos de todos os dias, ensina a endocrinologista.

Quando abrir uma exceção...

Somente quando a família está reunida e  assiste TV junta a um programa de tv a um jogo da Copa do Mundo, concordamos que a ocasião pede pipoca, sorvete, bolinho de chuva, sucos e muitas outras guloseimas... Mas podemos fazer isso também no intervalo do filme ou do jogo, sentados à mesa, comendo e convesando amenidades... Comendo e sentindo o sabor do que estamos comendo... Comendo e deixando o nosso cérebro saber disso, recomenda Ellen Paiva.

CONTATO:

www.citen.com.br

faleconosco@citen.com.br

http://twitter.com/Citensp

 

Crédito:Cris Padilha

Autor:Márcia Wirth

Fonte:Universo da Mulher