Rio de Janeiro, 14 de Outubro de 2019

Mulheres de barba, cabelo e bigode

Mulheres desafiam segmento dominado por homens e fazem sucesso na barbearia
 

Mulheres já são maioria em cursos destinados a cortes de cabelo masculino e investem na área para alavancar a carreira. Segundo elas, demanda é alta e os desafios são enormes
 
Ao se falar de um barbeiro a primeira imagem que vem a cabeça é a de um senhor com uma idade avançada utilizando tesoura e navalha em um salão tradicional. Mas os tempos são outros e este estereótipo mudou ao longo dos anos.

Hoje, as barbearias são modernas, adaptadas aos interesses do público masculino.

Seja para cortar o cabelo ou fazer a barba, os utensílios também evoluíram e já existem máquinas modernas especiais para cada tipo de trabalho. Mas a maior mudança está na figura do barbeiro.

Em uma área conhecida por ser dominada por homens, as mulheres estão cada vez mais inseridas nesse ofício e se especializando no trabalho para o público masculino.
Por conta disso, elas já são a maioria em diversos cursos e especializações voltados para a barbearia.

É o caso de um curso de cortes de cabelos com máquinas profissionais promovido pela Wahl Brasil, filial brasileira da maior produtora global de máquinas de cortar cabelos e aparadores de pelos. Dos 18 inscritos, dez eram mulheres.
 

Segundo o coordenador técnico da Wahl Brasil, Henrique Pianta, essa tem sido uma tendência entre os cursos da empresa.

“A procura delas por essa especialização tem sido muito grande e isso mostra que há um bom espaço a ser explorado por elas. Eu sempre as estimulo a abrir a própria barbearia e a contratar outras mulheres também”, afirma ele.
 

Na companhia, o público feminino também está representado entre os técnicos que ministram cursos e capacitações para profissionais por todo o Brasil.

No Rio Grande do Sul, Caroline Curzio, de apenas 24 anos, é a representante da empresa desde o ano passado.

Já em São Paulo, Fabiana Ferrer, com mais de 15 anos de experiência, é a profissional responsável por transmitir as técnicas às interessadas em entrar neste universo.

Segundo Pianta, a demanda pelo ofício é muito comum entre as cabeleireiras que se dedicam apenas aos cortes femininos.

“Observamos que muitas clientes pedem para cortar o cabelo dos maridos e, com isso, houve um aumento pela procura por cortes masculinos. Por isso, muitas profissionais também estão se dedicando a esta área”, explica Pianta.

Esse foi o caso de Ivanir Aparecida Caetano, cabeleireira há 20 anos e procurou os cursos da Wahl para se especializar na barbearia com máquinas profissionais.

“Recebi uma proposta para comandar um espaço de beleza masculino em um prédio comercial e resolvi me aprimorar. A demanda tem sido bastante alta e os clientes são bastante fiéis e sempre buscam novas opções”, comenta. 

Mas a barbearia também pode representar uma oportunidade para realizar uma grande transformação na carreira. Iná Matias atuava na área comercial e administrativa e, pensando na mudança, resolveu se dedicar à área, assunto do qual vinha despertando o seu interesse desde o ano passado.

Para ela, que já possui um salão próprio, esse segmento é muito amplo e traz diversas possibilidades. “Os cortes para homens têm muito mais detalhes e podem ser muito mais criativos.

Por isso, é necessário ter habilidade e o desafio acaba sendo maior. É diferente do público feminino que pouco cortam o cabelo”, compara.

Sobre a Wahl:

Fundada em 1919, nos Estados Unidos, a Wahl criou a primeira máquina elétrica para corte de cabelos e hoje é líder mundial neste segmento e na venda de aparadores de pelos.

A empresa tem sua história marcada por diversas inovações e atualmente seus produtos estão presentes em 165 países. Possui 16 filiais pelo mundo e emprega mais de 3,5 mil funcionários.

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Juliana Duarte

Fonte:RMA Comunicação