Rio de Janeiro, 26 de Outubro de 2021

Como organizar as finanças para ir morar sozinha

Antes de decidir morar sozinha, é fundamental ter um planejamento financeiro consolidado.


Afinal, você terá custos relacionados a uma casa como condomínio, IPTU, aluguel, luz, dentre muitos outros, além de conciliar com outras despesas já existentes.

Por isso, é importante ter suas finanças pessoais organizadas para evitar eventuais dívidas ou ter que solicitar ajuda com dinheiro emprestado. Você, antes de qualquer coisa, precisa compreender a sua real situação econômica, avaliando quais são seus ganhos mensais e custos fixos já existentes.

Mas não pense que organizar suas finanças para morar sozinha é difícil!
Para te ajudar, elaboramos esse artigo com dicas essenciais para você ter a sua independência o quanto antes.

“Bora” lá?

O que saber antes de ir morar sozinha

Como já citado acima, você precisa conhecer de verdade quais são os seus ganhos – salário ou outra forma mensal de receita – e pontuar os seus gastos, especialmente aqueles fixos, como por exemplo, despesas de celular ou mensalidade da academia.

Depois, é importante estabelecer uma meta, que no caso é morar sozinha e determinar quais serão as maneiras que você utilizará para conseguir atingir seu objetivo. Infelizmente, sem saber onde você está e aonde quer chegar, fica difícil ser controlada e ter foco com seu o dinheiro.

Resultado: desorganização das suas finanças pessoais.

Morar sozinha: por onde começo?

Agora, você deve está se perguntando por onde começar a organizar as suas finanças pessoais.
Elaboramos uma lista com dicas que vão te ajudar a conseguir ter um planejamento financeiro eficiente.

Tenha um controle de receitas e gastos

Primeiro, você precisa registrar todas as suas receitas e gastos. A maneira mais fácil de fazer isso é usando um caderno e uma caneta. Mas para ficar organizado, a nossa sugestão é fazer uma planilha no Excel ou, ainda, baixar um aplicativo.

Esses apps de organização financeira são práticos, permitem atualização rápida e são extremamente seguros para armazenarem suas informações. Alguns dispõem, inclusive, de uma conexão direta com a sua conta corrente.

Quando você for anotar essas informações, é necessário ser bem detalhista, adicionando inclusive gastos pequenos, como aquele chocolate depois do almoço. Afinal, esses valores podem representar algo maior no final do mês.

Monte uma reserva financeira

Ter uma reserva financeira é a melhor solução para imprevistos que podem ocorrer. Para fazer isso, você pode aos poucos ir separando uma parte do seu salário ou guardar o que sobra na conta corrente no final do mês.

Porém, não se esqueça: essa reserva só deve ser usada em situações de emergência, como um problema de saúde ou uma dívida totalmente inesperada.
Lembre-se desse sacrifício que você está fazendo para guardar dinheiro e tenha certeza que esse esforço fará diferença no seu planejamento financeiro.


Defina metas de gastos

Outro detalhe determinante para ter uma boa organização financeira são os objetivos.

Para que você consiga alcançá-los é importante traçar metas, ter foco e disciplina. Como você deseja morar sozinha, isso é ainda mais importante para que você não precise depender de ninguém.

Por isso, ser organizada é importante para suas finanças. Você precisa determinar seu orçamento pessoal, relacionando ganhos e gastos mensais. Ou seja, considerar todas as fontes de renda, assim como, o valor de cada uma das despesas atreladas ao seu imóvel (como luz, condomínio, dentre outros), além das despesas variáveis, como alimentação, por exemplo.

Não se esqueça dos custos pessoais, também, devem fazer parte do orçamento.
Depois de todos esses dados, você conseguirá identificar onde estão seus maiores gastos e se é possível economizar. Em suma, o importante é que suas despesas não ultrapassem 50% do seu salário no final do mês.

Evite compras por impulsos

Antes de gastar por impulso, lembre-se do seu novo compromisso: bancar a sua casa. Por isso, antes de qualquer compra supérflua, pense se você realmente precisa trocar de celular ou comprar uma “blusinha” nova.

Use como mantra pessoal, as metas e os objetivos estipulados inicialmente para você poder ter a sua própria casa e seja fiel a todos eles. Compras extras e sem sentido pesam no seu orçamento e podem chegar a comprometer as despesas normais do seu lar.

Não adianta ter que recorrer ao cheque especial ou qualquer outro tipo de dívida, para algo que não é essencial. Manter a disciplina econômica será o seu guia no caminhar da sua organização financeira.

Saia das dívidas

Como dito no tópico anterior, é imprescindível que você quite suas dívidas antes de ir morar sozinha. Então, caso possua pendências, avalie a melhor forma de pagá-las e liberar o seu orçamento.

Caso você possua dívidas com altas taxas de juros, como do cartão de crédito, algumas vezes pode ser benéfico utilizar um empréstimo sem burocracia para pagá-la. Já em outros casos, é possível negociar sua dívida através de plataformas online, obtendo taxas de desconto significativas.


Pense a longo prazo

Não mesmo importante, pense sobre como fazer seu dinheiro trabalhar por você. Por isso, ter conhecimento sobre investimentos financeiros pode te ajudar no futuro. Pode ser que daqui há alguns anos, você queira fazer um curso de pós-graduação ou fazer um intercâmbio.

Então, informe-se sobre as opções de como investir o seu dinheiro de maneira sábia. Ele pode te proporcionar a realização de muitos sonhos!


Comece agora

Mais do que ficar na teoria para saber como fazer seu planejamento financeiro para morar sozinha, é preciso tomar a iniciativa de fazê-lo. Então, por que não começar agora a poupar seu dinheiro e pesquisar o quanto você está disposta a pagar para ter sua independência?

Não tenha medo! Com disciplina e seguindo todas as dicas acima, você se sairá muito bem nessa nova etapa da sua vida!

A melhor decisão

Apesar de algumas dificuldades iniciais para organizar as finanças e ir morar sozinha, as vantagens são inúmeras, especialmente no amadurecimento e no aprendizado obtidos! Então, o que você está esperando para começar esse processo? Deixe nos comentários abaixo para sabermos mais!

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Juros Baixos

Fonte:Juros Baixos