Rio de Janeiro, 14 de Julho de 2024

Como evitar a violência digital na internet?

 

No combate á violência contra as mulheres online, veja algumas recomendações para prevenir a violência de gênero no mundo digital

 

Segundo dados da 16ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 27.722 mulheres foram vítimas de stalking nos últimos anos. Além disso, 1.797 crianças foram sofreram com o crime de pornografia infantil.

Diante deste contexto, evidenciado no Dia Internacional da Mulher, a ESET, empresa líder em detecção proativa de ameaças, alerta sobre as formas mais comuns de violência contra a mulher no ambiente digital, além de apresentar recomendações para prevenir ataques e misoginia online.

"Embora a tecnologia tenha sido muito útil para as mulheres contatarem, organizarem e disseminarem a luta contra a desigualdade de gênero, essas mesmas tecnologias têm sido usadas para realizar ameaças e extorsão, disseminar informações sem consentimento ou realizar outros atos de violência contra as mulheres", explica Camilo Gutiérrez Amaya, Chefe do Laboratório de Pesquisa da ESET.

De acordo com o site Take Back The Tech!  existem 3 formas mais comuns de violência contra a mulher. A equipe de pesquisa da ESET explica e compartilha recomendações para prevenir a violência de gênero online:

Chantagem: 

Ocorre quando alguém ameaça revelar informações difamatórias ou prejudiciais sobre uma pessoa se ela não pagar um determinado preço. Este preço nem sempre é monetário, mas pode incluir favores sexuais ou controle emocional sobre a pessoa afetada.

Um caso especial é o da pornografia de vingança: quando alguém publica conteúdo como fotos ou vídeos sem o consentimento da parte afetada, seja para humilhar ou vender o conteúdo a terceiros.

Se as fotos foram obtidas por hacking, acesso físico a dispositivos ou enviadas por livre arbítrio, a prática de sexting em si não deve ser estigmatizada. Violar essa privacidade é um crime, e as queixas devem ser levadas a sério; frases como "a culpa é sua" ou "você procurou" não devem ser aceitas como resposta à preocupação da vítima.

É importante e você deve saber que existem riscos associados e, portanto, a ESET recomenda levar em conta as boas práticas de segurança.

Cyberbullying: 

O cyberbullying tem a ver com o assédio, humilhação e insultos sofridos através do uso de meios digitais. Inclui roubo de identidade, criação de perfis on-line falsos e até mesmo vigilância através de spyware (software que é instalado no computador sem que um usuário esteja ciente disso) ou acesso a perfis de redes sociais.

Em muitos casos, os atacantes se escondem atrás do anonimato e incitam sua campanha de ódio usando hashtags e postagens para serem compartilhadas por grupos de pessoas.

Ao sofrer esses ataques, é conveniente bloquear o assediador e tentar cortar os canais de comunicação imediatamente. Caso as mensagens abusivas continuem a chegar, as cópias das comunicações devem ser mantidas, e não apagadas.

Isso servirá de apoio para ir às autoridades. Devido ao aumento de casos e ao fato de que cada vez mais mulheres têm levantado a voz, a legislação está mudando para contemplar e dar atenção a esse problema.

Discurso de ódio: 

Refere-se a qualquer expressão que banalize, glorifique ou incite a violência de gênero.

Não deve ser confundido com a liberdade de expressão, que é um direito universal, mas que tem limitações na medida em que entra em contato com outros direitos. Na maioria dos países, o discurso de ódio é proibido quando incita a violência ou ações prejudiciais contra os outros.

Um dos cenários mais repetidos tem a ver com o discurso de ódio contra as mulheres jornalistas; especialmente quando se trata de tópicos historicamente dominados por homens, como esportes, jogos ou política.

Para se proteger, a equipe da ESET compartilha recomendações para usar a tecnologia com segurança:

Senhas:

  • Use uma senha forte e não a repita em vários sites, pois os sites podem ser comprometidos. Se isso acontecer e a senha for exclusiva deste site, eles não poderão usá-la para outros serviços e isso minimizará os danos.
  • Os gerenciadores de senhas são uma boa ideia para poder gerenciar o acesso aos diferentes serviços e plataformas que são usados.
  • Ative a autenticação de dois fatores para acesso a e-mails ou redes sociais, para receber um código especial sempre que quiser acessar a partir de um dispositivo não reconhecido. Se você é um invasor tentando invadir, você não será capaz de fazê-lo, mesmo se você souber a senha, uma vez que você não terá acesso a esse código especial que é enviado para o telefone.

Navegação:

  • Se informações sensíveis ou confidenciais forem enviadas, evite fazê-lo de redes públicas, como bares ou cafés; espere até que você esteja em uma rede confiável.
  • No caso de se conectar a uma rede pública, é aconselhável usar uma VPN, para que as informações viajem criptografadas.
  • Certifique-se de navegar em sites seguros e confiáveis que usam https. Ele pode ser reconhecido pelo cadeado verde na barra de endereços do navegador da web. Uma extensão de navegador como HTTPS Everywhere também pode ser usada.

Telefones celulares:

  • Use um PIN ou código de bloqueio para impedir o acesso físico ao dispositivo.
  • Ele usa a criptografia r de informações. Assim, fotos, vídeos e outros conteúdos do telefone não serão acessíveis sem a senha. Para saber como criptografar dados em dispositivos Apple, entre aqui e para dispositivos Android aqui.
  • Se você precisar apagar informações, tenha em mente que, às vezes, não é suficiente apagá-las do dispositivo. Em alguns casos, as informações foram carregadas automaticamente para a nuvem, e é necessário excluí-las lá. No caso do Android, isso é desativado por padrão, mas no caso de dispositivos Apple, há um guia para desativar a sincronização automática com o iCloud.
  • Use um software antivírus de sua preferência, mas que seja bom e conhecido; mas cuidado com antivírus falsos.

"Esperamos que esses recursos e recomendações sirvam para prevenir atos de violência on-line e confiamos que, juntos, possamos nos conscientizar de práticas arraigadas que machucam e afetam muitas mulheres em nossa região ", acrescenta Gutiérrez Amaya, da ESET. Veja mais no episódio A violência digital transcende a fronteira da virtualidade, do podcast Conexão Segura.

 

Sobre a ESET

Desde 1987, a ESET® desenvolve soluções de segurança que ajudam mais de 100 milhões de usuários a aproveitar a tecnologia com segurança. Seu portfólio de soluções oferece às empresas e consumidores de todo o mundo um equilíbrio perfeito entre desempenho e proteção proativa. A empresa possui uma rede global de vendas que abrange 180 países e possui escritórios em Bratislava, San Diego, Cingapura, Buenos Aires, Cidade do México e São Paulo. Para mais informações, visite nosso site ou siga-nos no LinkedIn, Facebook e Twitter.
 

Copyright © 1992 - 2022. Todos os direitos reservados. ESET e NOD32 são marcas registradas da ESET. Outros nomes e marcas são marcas registradas de suas respectivas empresas.

 

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Leonardo Nascimento

Fonte:Eset