Rio de Janeiro, 28 de Outubro de 2020

Apertem os cintos, o piloto sumiu!

Apertem os cintos, o piloto sumiu!
Desde que Osama bin Laden explodiu as Torres Gêmeas, o tráfego aéreo foi pro espaço.
 
 
O espaço, de vazio e aparentemente inútil, ganhou emoção com a possibilidade de sermos brindados com a passagem ao plano espiritual mais rápido do que se pensava.
 
 
Nem nos melhores sonhos estava previsto que o céu de brigadeiro iria se aposentar.
 
 
Somos reféns dos controladores de vôo. Para decolar, aterrissar ou desintegrar. O problema é de quem precisa viajar de avião, não entendem neca dos sinais que Deus emite. A Varig sumiu, sugada pelo triângulo das bermudas, o céu dos muçulmanos que detonam qualquer sinal do imperialismo norte-americano. Atrás do Vietnã, vem o Iraque, a fila cresce.
 
 
O que nos consola é a crise revelar que há sempre um herói que se dá bem e comprova a excelência do sistema capitalista. Mais um brasileiro ingressou na lista dos 500 maiores milionários do mundo: o dono da Gol.
 
 
Agora sim temos razões de sobra para cultivar o medo de avião. O amor à distância ficou neurótico e temperamental, pois se internet já interage, agora se masturbará à custa de nossas mentes pobres e escravizadas por uma tecnologia tosca que não consegue impedir dois aviões de se chocarem e ceifarem vidas.
 
Inúteis, a julgar pela lentidão dos que estão no comando do avião, do radar, da Aeronáutica... e não pensem que o Aerolula está a salvo.
 
 
Apertem os cintos, o piloto sumiu!
 
 

Crédito:Antonio Carlos Gaio

Autor:Antonio Carlos Gaio

Fonte:Universo da Mulher