Rio de Janeiro, 28 de Outubro de 2020

Mulher: depois dos 50, coração pede atenção!

Especialista aponta as principais formas de evitar doenças cardíacas,

que matam cerca de 150 mil brasileiras todos os anos

 

Na faixa dos 50 anos, as mulheres estão mais expostas ao risco de infarto do que os homens. Um dos principais motivos é a dificuldade feminina em controlar os níveis de colesterol e a pressão alta. “Tanto a hipertensão como o colesterol alto comprometem os vasos sanguíneos, causando problemas de circulação, principalmente a formação de coágulos”, explica o doutor Otávio Gebara, cardiologista e diretor clínico do Hospital Santa Paula.

“A mulher moderna está ainda mais exposta às doenças do coração. A falta de tempo para se alimentar corretamente, fazer exercícios e manter o estresse sob controle só tende a arruinar sua saúde. Depois dos 50, inclusive, ao entrar no período pós-menopausa, elas tendem a se descuidar de vários aspectos da vida. Mas o coração exige cuidados, já que mata cerca de 150 mil brasileiras por ano”, diz o médico cardiologista. 

Gebara diz que além de controlar a hipertensão, as mulheres precisam reduzir outros fatores de risco que têm negligenciado, como tabagismo, estresse, sedentarismo, níveis de colesterol e triglicérides, obesidade e taxa de açúcar no sangue. “Aquelas que têm parentes próximos que morreram de cardiopatias também devem redobrar os cuidados com a saúde 

O médico aponta os três cuidados indispensáveis que as mulheres 50+ devem adotar para preservar a saúde do coração:

  1. Alimentação

O consumo de alimentos industrializados, fast foods e gordura trans é o grande vilão do coração saudável. “O aumento do mau colesterol (LDL) contribui muito para a obstrução dos vasos sanguíneos. Além disso, quem tem dificuldades em se alimentar de modo saudável e controlar o peso normalmente passa a apresentar um quadro de sobrepeso e obesidade, o que aumenta ainda mais os riscos de doenças cardíacas. Incluir mais frutas, legumes e verduras no cardápio diário e moderar o consumo de carnes, massas e frituras é uma grande pedida”. 

  1. Exercícios Físicos  

Segundo o cardiologista, os exercícios físicos ajudam a diminuir consideravelmente a pressão sanguínea e a fortalecer o coração. Quanto mais forte é o músculo do coração, menor é seu esforço em bombear sangue para o corpo, diminuindo a pressão arterial.

Gebara valoriza a atitude de se ter uma vida saudável. Segundo o médico, o entusiasmo da pessoa que inicia um processo de emagrecimento faz com que ela mude seu estilo de vida e incorpore atividades em seu dia-a-dia que também colaboram para diminuir a incidência de hipertensão e diabetes. “A paciente que adota uma alimentação saudável, e sente os resultados da perda de peso e medidas, acaba se sentindo mais disposta a praticar esportes, caminhadas e outras atividades que colaboram para manter sua saúde”. 

  1. Álcool e Cigarro  

Estudos recentes demonstram que a ingestão diária de uma ou duas taças de vinho tinto auxilia na prevenção de problemas cardíacos. Mas o cardiologista Otávio Gebara adverte: “Quem tem dificuldade em controlar a ingestão de álcool deve se manter abstêmio. Afinal, o excesso de álcool pode ocasionar sérios problemas cardíacos, incluindo derrame cerebral”. 

Com relação ao cigarro, é melhor adotar “tolerância zero”. “A nicotina e o monóxido de carbono atingem o sistema cardiovascular, aumentando as chances de infarto”, diz o médico. 

Fonte: Dr. Otávio Gebara, médico cardiologista e diretor clínico do Hospital Santa Paula (www.santapaula.com.br)

 

Crédito:Cris Padilha

Autor:Heloísa Paiva

Fonte:Dr. Otávio Gebara