Rio de Janeiro, 28 de Setembro de 2020

O uso do anticoncepcional pode trazer problemas na hora de engravidar?

Se após a realização dos exames de praxe nenhum sinal de infertilidade for diagnosticado, o casal é orientado a praticar o sexo programado.
 
 
Com certeza, você tem uma amiga ou conhece uma mulher que atribui ao uso da pílula anticoncepcional sua dificuldade para engravidar.
 
Um estudo recente, publicado na revista científica Fertility and Sterility, esclarece o “mito”: os contraceptivos orais não influenciam na fertilidade feminina. 
 
A crença de que a pílula interfere na fertilidade vem do fato de que, ao tentar engravidar, depois de interromper o uso dos contraceptivos, muitas mulheres não conseguem e colocam a culpa nos anos de tratamento com o medicamento.
 
“Mas isso não é verdade. Muitas mulheres realmente têm problemas de infertilidade e só vão descobrir o fato quando param de tomar a pílula. Estes problemas não têm nada a ver com a pílula”, afirma o ginecologista e obstetra, Aléssio Calil Mathias, diretor da Clínica Genesis.
 
Se o problema da infertilidade for investigado e descartado, a mulher pode ter, inicialmente uma certa dificuldade para engravidar.
 
O que é normal e revertido em pouco tempo, após a interrupção do uso do remédio.
 
“Depois de parar com a pílula, o corpo da mulher demora alguns meses para ser acostumar com a nova situação. O ovário precisa voltar a funcionar, o que pode levar de 1 a 3 meses, em média, quando  há  uma reorganização do ciclo menstrual da mulher”, explica o ginecologista.
 
E se a gravidez não vier?
 
Com a interrupção do uso da pílula anticoncepcional, a gravidez deve vir naturalmente  em até um ano.
 
Se após doze meses tentando engravidar naturalmente, o casal não obtiver sucesso, é necessário realizar uma avaliação médica conjunta.
 
Um urologista e um ginecologista deverão ser procurados, ao mesmo tempo, para a realização de exames físicos no homem e na mulher.
 
Se após a realização dos exames de praxe nenhum sinal de infertilidade for diagnosticado, o casal é orientado a praticar o sexo programado. Diante do arsenal terapêutico oferecido pela reprodução assistida, o coito programado é a técnica menos arrojada, menos tecnológica, mas é exatamente a partir deste ponto que devemos começar a investigar e a tratar a infertilidade”, diz Mathias.
 
O tratamento consiste em acompanhar o ciclo menstrual da mulher, monitorando a ovulação por meio de exames de ultra-som seriados e dosagens dos níveis de hormônios no sangue e na urina.
 
Em alguns casos, o ginecologista pode estimular os ovários com medicamentos. O objetivo é aumentar a precisão do dia fértil.
 
Para aumentar as chances de gravidez, explica o diretor da Clínica Genesis, o casal deve manter relações sexuais em dias alternados, a partir do primeiro dia da ovulação.
 
“Se ela for induzida, o medicamento leva entre 36 e 48 horas para agir. Isso significa que, quando aplicado pela manhã, o ideal é que o encontro sexual aconteça à tarde e na noite do dia seguinte. Não existe, portanto, uma hora exata para engravidar e, sim, o dia exato. Basta que, à medida do possível, o médico ajuste o coito programado ao cotidiano do casal", explica o ginecologista Aléssio Calil Mathias.
 
Para que serve a pílula
 
Toda mulher que chega em uma determinada idade têm que tomar a pípula anticoncepcional, mas vemos por ai que muitas destas informações não chegam ou até mesmo são deixadas de lado por jovens que têm relações sexuais e com isso acabam ficando gravidas em plena adolescência, mas isso é uma causa que iremos deixar de lado e iremos falar sobre os benefícios que a pílula anticoncepcional permite para as mulheres que as utilizam.
 
A pílula, além de prevenir contra a gravidez, regula a menstruação, diminuição das doenças da mama, diminuição dos índices de câncer endométricos, acne, mioma-uterino, artrite, doença inflamatória pélvica, menstruação dolorosa, fluxo intenso, TPM, cistos belígnos entre outros. Uma coisa que podemos resaltar é que atualmente existem vários meios de se prevenir contra tais doenças tomando a pílula, pois a medicina está ainda mais avançada, esses meios alternativos são: Mini-pílula, DIU T de cobre, DIU Progestasert (dispositivo intra-uterino), Implante (Norplant and Norplant 2), Depo-Provera, Diafragma e capuz cervical, Adesivo Ortho Evra e Anel vaginal contraceptivo hormonal (NuvaRing), mas veja qual entra na sua renda e que possa ser pago.
 
Então, faça uma consulta em seu ginecologista e veja qual o melhor meio para você ou vai querer passar o risco de ter uma gravidez ou até mesmo uma diença indesejada?!
 
Uma outra dica é sempre utilizar preservativo em uma relação sexual, principalmente quando não for com o seu parceiro habitual, pois as vezes essas pessoas podem ter algumas doenças e poder passá-las à vocês, mesmo que você utilize a pílula faça sexo com segurança, utilize camisinha!
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Márcia Wirth

Fonte:www.clinicagenesis.com.br