Rio de Janeiro, 24 de Maio de 2024

Compulsão alimentar

As principais causas da compulsão alimentar

A compulsão alimentar faz com que a pessoa perca o controle sobre si e coma de uma forma exagerada sem pensar muito, associado a sentimentos negativos.

Ao se pensar que desde muito cedo as pessoas são cobradas para terem um corpo magro, isso pode levar a insatisfação com a própria imagem, e num futuro causar eventos de compulsão alimentar.

Esse descontentamento com a própria imagem, muitas vezes está associado a fatores de risco mais graves como a depressão e a obesidade. Mas isso não quer dizer que todas as pessoas obesas sofrem de compulsão alimentar.

Pelo contrário, existem muitas pessoas que não são obesas e têm episódios de compulsão, isso se deve a vários fatores, por exemplo, alguém muito preocupado com o corpo e a estética devido à pressão social do corpo “perfeito”.

E por conta disso, decide investir em dietas restritas e coisas como comprar equipamento de pilates, e passa a ter uma obsessão pela busca do corpo ideal, isso pode levá-la a ter problemas de compulsão alimentar.

Segundo uma pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), segundo os adolescentes da cidade de São Paulo entrevistados, constatou-se que pelo menos 12,2% apresentam comportamentos de risco para transtornos alimentares.

Compulsão alimentar, o que é?

Um distúrbio que afeta a mente e faz com que a pessoa se sinta na necessidade de comer de forma exagerada, mesmo sem fome, a qualquer momento do dia e geralmente quando estão em episódios de estresse ou sob a influência de alguma emoção.

Uma pessoa que sofre de compulsão alimentar, não vai pensar de forma racional quando o assunto é comida, pois vai ingerir mais alimentos que o necessário.

Por exemplo, em um episódio de compulsão a pessoa tende a comer de forma exagerada várias coisas ao mesmo tempo, começando por um bolo de chocolate, passando por pão francês congelado para assar e terminando num prato de arroz e feijão.

Nesses casos os alimentos são ingeridos de forma rápida e em grandes quantidades, e geralmente são alimentos calóricos e de baixa nutrição.

Os sintomas da compulsão são prejudiciais ao corpo em muitos aspectos, e ainda podem causar um desequilíbrio emocional, afetando a saúde mental.

Sintomas de uma compulsão alimentar

Conheça alguns dos sintomas da compulsão alimentar, pois é importante que não se confunda com outros distúrbios alimentares, como a bulimia e a anorexia.

Geralmente os episódios de compulsão alimentar, vem acompanhados a sentimentos negativos, além disso, existem algumas características para ajudar a identificar a doença como:

  • Comer mais rápido que o normal perdendo o controle;

  • Comer sem fome;

  • Continuar comendo mesmo estando saciado;

  • Se sentir culpado ou com vergonha por ter comido muito;

  • Se sentir impotente ou introvertido quando o assunto é alimentação;

  • Continuar comendo mesmo quando o alimento é ruim ao paladar;

  • Vergonha de comer em público;

  • Baixa autoestima e tristeza constante.

É comum que essas pessoas tenham uma péssima relação com a comida e após os episódios de compulsão se sentirem mal e culpadas, pensando coisas como:

“Porque eu comi tanto ontem e misturei alga marinha para sushi com torta de limão, eu já estava satisfeito”, ou inventarem desculpas para que ninguém veja ele comendo em público.

Se essa doença não for tratada, pode levar a problemas de saúde como depressão, ansiedade, bulimia, hipertensão entre tantos outros.

Causas

As causas podem ser diversas, mas existem alguns gatilhos que podem desencadear a doença como um trauma muito grande, momentos de dificuldades na vida, sem contar uma dieta muito restrita.

Todas as pessoas estão propensas a desenvolverem esse transtorno, não pense que está restrito apenas para pessoas muito gordas ou magras, seja você um trabalhador da indústria de esterilizador para laboratório até uma modelo de comerciais.

Dependendo dos fatores e acontecimentos da sua vida, você pode desenvolver a compulsão alimentar. Conheça alguns causadores como:

Estresse

O estresse e a tristeza podem estar ligados aos sintomas de compulsão alimentar, pois nesses casos o alimento é uma espécie de válvula de escape, pois gera um prazer momentâneo em meio a crise.

Pense que quando você está triste quer preencher o vazio que está sentindo com algo, e nesses casos a comida consegue por um curto período de tempo fazer você se sentir melhor.

Por exemplo, ao comer sua comida favorita, como uma massa talharim caseiro feita pela sua mãe, normalmente pode surgir um sentimento de felicidade e satisfação.

Mas aí é que mora o perigo, como essa sensação é passageira, você vai acabar sempre querendo comer, para sentir esse prazer, gerando a compulsão de querer comer mais e mais.

Em períodos de estresse, você está sob muita pressão e acaba comendo descontroladamente sem nem ao menos perceber o que está ingerindo, muitas vezes nem sentindo o gosto da comida.

É importante lembrar que só são caracterizadas como crises de compulsão alimentar, se a pessoa apresenta esse comportamento em média 1 vez por semana por pelo menos 3 meses consecutivos, e não de forma esporádica.

Pois todos podemos exagerar na alimentação, durante alguns momentos, seja em comemorações ou aqueles dias em que realmente não estamos nos sentido bem. Mas são situações bem diferentes de quem sofre com compulsão alimentar.

Distorção da Imagem

Cada vez mais as pessoas estão insatisfeitas com a sua imagem, muito disso se deve a pressão estética imposta pela sociedade de que um corpo perfeito deve ser magro, sem contar as redes sociais em que cada vez mais se normaliza os procedimentos estéticos.

Em busca dessa perfeição inalcançável, com isso as pessoas começam a se comparar, gerando frustrações com a sua autoimagem.

Ninguém está imune a essa comparação, afinal a vida do outro sempre é melhor que a sua, seja pelo corpo dela magro e definido ou pelos brindes personalizados bloco de anotações, que aquela influencer ganhou, ou pela cirurgia estética que aquela atriz fez.

Se comparar a essas pessoas que estão fora da sua realidade aumenta o risco de desenvolver a compulsão alimentar e outros transtornos.

Dietas restritas

Ao adotar uma dieta muito restrita, as pessoas ao invés de conseguirem alcançar seu objetivo emagrecendo, podem sofrer com o efeito reverso.

Pois ao passar muito tempo evitando comer alguns alimentos o apetite pode aumentar, afinal o corpo precisa se alimentar, e ele vai pedir.

Por exemplo, uma pessoa que começou uma dieta dessa é muito restritiva, e trabalha manuseando maquinas e equipamentos para industria alimentícia, um trabalho pesado que exige um certo esforço físico.

Ao passar o dia inteiro evitando comer carboidratos e gorduras, aliado a isso ao seu cotidiano de trabalho e esforço, vai chegar a noite e comer muito pois está com fome, nisso de forma exagerada, consumindo mais do que se tivesse comido normalmente durante o dia.

Esse episódio, somado ao sentimento de insatisfação por não conseguir seguir a dieta, aumentam muito as chances de se ter uma compulsão alimentar.

Transtornos emocionais

Da mesma forma que os transtornos alimentares podem acarretar transtornos emocionais, o contrário também pode ocorrer como problemas com depressão e ansiedade podem levar o paciente a ter problemas de compulsão alimentar.

Em alguns casos também podem estar associados a traumas do passado, fazendo com que a pessoa tenha esses episódios de compulsão alimentar.

Tratamento

Para o diagnóstico de pessoas que sofrem de transtornos alimentares, como a compulsão, não existe um tipo de exame que mostre que quem tem ou não esse problema, é através dos relatos do paciente ou de familiares que se consegue identificar.

E buscando a ajuda de profissionais para conseguir o tratamento adequado, onde uma equipe multidisciplinar com médicos, nutricionistas e psicólogos vão conseguir auxiliar esse paciente.

É importante lembrar que nesses casos os problemas estão muito relacionados com as emoções, ou seja, a saúde mental dessas pessoas, pois além dos medicamentos é fundamental trabalhar a mente, tomando consciência sobre si, seu corpo, sua imagem.

Com isso, paciente e psicólogo vão trabalhar a fim de compreender quais os gatilhos que levam a esses episódios de compulsão alimentar, criando estratégias para controlar e lidar melhor com essas emoções.

Já com a nutricionista essa pessoa vai entender como a comida é importante para nutrir o corpo, entendendo que ela não é um inimiga e sim uma aliada ao corpo e mente, além da recomendação de exercícios físicos.

E atividades que ajudam na concentração e equilíbrio do corpo como meditação, yoga, mantendo a produção de endorfina que ajuda a controlar a ansiedade.

Por isso, se você identificou alguns desses sinais de compulsão alimentar, procure a ajuda de um médico especialista, só ele vai conseguir te orientar melhor, para conseguir superar esse problema e voltar a ter uma vida saudável.

Seja você uma profissional da saúde em atestado de saúde ocupacional retorno ao trabalho ou uma tatuadora, não pense que pode resolver esse problema sozinha, só a ajuda profissional vai te fazer enfrentar a compulsão alimentar.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Jennifer Khauffman

Fonte:Guia de Investimento